A História levada a sério

Padrão

Organizador e Consultor Técnico da Casa da Memória, Ivan David defende a importância da ação estatal na área da cultura.

 

*entrevista realizada em 2003

Há anos no comando da Casa da Memória de Guaranesia, o museólogo prof. Ivan David soube aproveitar os vinte anos em que dedicou pessoalmente a pesquisa da historia da cidade. Ao organizar e fundar a Casa da Memória com a Prefeitura Municipal em 2001, foi o responsável pela colocação do museu com uma das mais importantes instituições culturais do sul de minas. Ele aposta na ação educativa e pretende estimular a ampliação dos serviços do museu. Em entrevista ao O Articulador, ele falou sobre prioridades e planos futuros.

O Articulador: Qual a importância da Casa da Memória ser uma instituição publica?

Ivan David: Definimos com a Prefeitura Municipal que a Casa da memória não e um espaço para produção emergente. Ate por questões de espaço. Isso significa que estamos nos ocupando da produção que já permita uma mínima inserção histórica. Por exemplo, estamos organizando uma grande exposição sobre o futebol guaranesiano.

Leis de incentivo cultural para dedução no imposto de renda existem, mas ainda não são utilizadas pelo comercio e industrias da região.

Ate mesmo as pessoas físicas estão aptas para investir em arte e cultura e deduzir no seu imposto de renda. No entanto, talvez por total desconhecimento por parte dos empresários, talvez por ainda não ter sido proposta e utilizada pelos produtores artísticos da região, talvez porque mesmo sabendo da existência dessas leis, o apoio às artes e a cultura se contentam apenas com uma espécie de colaboração, tanto do poder publico como do comercio e das industrias e de alguns cidadãos.

Não ha uma verdadeira ação cultural assim com ainda não ha uma política municipal de cultura que faça uso de todas as possibilidades e ferramentas para uma lida responsável com as atividades artísticas e culturais da comunidade.  Salvo o Instituto Moreira Salles em Poços de Caldas que e mantido pelo Unibanco, os demais museus foram criados pelas prefeituras municipais, junto com conselhos municipais de cultura e patrimônio histórico e sobrevivem de percentuais de impostos repassados pelo Estado. E esse percentual quando destinados pelo Executivo Municipal, mesmo na sua totalidade, não possibilita a realização e desenvolvimento de ações culturais necessárias para manter os museus. Dai a necessidade dessas instituições contarem sempre com o apoio e participação dos cidadãos.

Desde o final dos anos 90 percebemos uma melhora no trato do estado e do município para com a cultura. Programas de turismo estão sendo incentivados na região, assim como, a preservação do patrimônio publico. Eventos artísticos, festivais de musica e dança, festas tradicionais, folclore…

A sociedade se conscientiza, se organiza e contribui com o possível. No entanto, uma política cultural precisa ser implantada.

Museologia, Um desafio de longo prazo

Guaranésia 115 Anos

Padrão

GUARANÉSIA 115 anos

Nossa paixão é antiga e nossa cumplicidade e cotidiano em comum.
Aqui é minha terra e posso andar de olhos fechados que nem assim me perco.

E se ficar perdido, logo me vejo nos teus ipês, no topo da Matriz, nos casarios antigos, nas serras das Minais Gerais e na felicidade de sua gente.
Tenho a certeza e convicção que aqui é meu lugar.
Guaranésia, meu porto seguro, meu encanto.
Minha eterna gratidão!
Parabéns por 115 anos de emancipação!

Prof. Ivan Soares David

Morte de secretário de cultura de Guaranésia deixa a cidade em luto e muitos lamentam a perda

Padrão

 

Ainda me lembro quando em 1985 fomos até o ginásio conversar com os alunos nas classes para informar e convidá-los para participar do I Encontro Cultural de Guaranésia. Explicamos que o objetivo era promover um encontro dos artístas da cidade durante uma semana e depois propor para a Prefeitura a criação de um Centro Cultural na cidade. Alberto Emiliano foi um dos primeiros a levantar a mão, somando com o seu irmão Carlão, também já falecido, + Paulo Nardi, Zé Sapo e muitos outros jovens como nós, apaixonados por Guaranésia, que agarraram a bandeira da cultura e da preservação da Memória da cidade. Fizemos os primeiros encontros culturais juntos, fizemos os primeiros documentários sobre folias de reis no município juntos e ele pode, na medida do possível dar continuidade a todas aquelas ideias e projetos,tanto como cidadão, professor e diretor de cultura.
Fui a Guaranésia neste fim de semana para reuniões de trabalho e uma delas com ele, agendada para ontem a tarde,pois vínhamos colaborando com ele nas intenções de reinaugurar a Casa da Memória na Estação e o evento de abertura do Centro Cultural esse ano… e o projeto do Monitor Mineiro Digital aprovado no FEC2 2015 e que estava recebendo todo apoio do Preto e que será lançado esse ano. Vai em Paz amigo. Você estará sempre nos nossos corações e lembranças dos bons tempos da vida em Guaranésia.

http://www.youtube.com/watch?v=T-Ime3L23jU