A história da cidade contada por todos nós…


GUARANÉSIA MEMÓRIAS RESGATA A NOSSA HISTÓRIA COM A PARTICIPAÇÃO DOS INTERNAUTAS.

VISITEM AS PÁGINAS E DEIXEM OS SEUS COMENTÁRIOS.

VEJAM A FOTO AÉREA DA CIDADE (clique aqui)

Visitem o VIDEOLOG sobre os Encontros Culturais de Guaranésia

http://videolog.uol.com.br/guaranesia

Introduzindo a história de Guaranésia…

Era o ano de 1.682. Um dos mais ilustres habitantes da Vila de São Paulo, Bartolomeu Bueno da Silva, conhecido mais tarde como o Anhanguera, há muito tempo ouvia comentários sobre a possível existência, não se sabia onde, da famosa Serra dos Martírios, recoberta de ouro. Boato ou não, inúmeras vezes o olhar do bandeirante brilhou ao ouvir a estória. Homem pouco propenso a viver na dúvida, principalmente em se tratando de ouro, não ficou sentado aguardando confirmação. Reuniu sua gente, despediu-se dos que ficaram e embrenhou-se no sertão, sonhando talvez na possibilidade de encontrá-la.

Não a descobriu, mas deixou por onde passara a Picada de Goiás, caminho posteriormente trilhado por centenas de sertanistas. Essa Picada não era propriamente um trilho aberto entre as matas: era uma espécie de roteiro. Serviam-lhe de referência certos rios, montes característicos ou qualquer acidente geográfico que se destacavam dos demais. Duas expedições marchando em sentido contrário poderiam passar longe uma da outra, riscando uma paralela, e ambas poderiam afirmar depois que haviam passado pela Picada de Goiás.

Nessa época, um Bandeirante, ao penetrar nos sertões, levava consigo uma verdadeira cidade ambulante. Homens, mulheres, crianças, negros e índios ajuntavam-se e partiam, tão logo ouvissem qualquer notícia sobre ouro em algum lugar.

Não raras vezes, essas expedições propiciavam aos integrantes negros, a oportunidade de fugir de seus senhores durante a jornada, ambrenhando-se nas matas, formando quilombos em lugares quase inacessíveis.

Vários deles existiram no sul de Minas, atacando os sertanistas que penetravam na região e causando ao governo da capitânia inúmeras preocupações.

Esses acontecimentos que, pelo menos aparentemente, nada tem há ver com a nossa história, cremos, entretanto, ter sido o começo de Jacuí e conseqüentemente, o de todas as cidades em sua volta. Um reflexo daquelas Entradas e daqueles Quilombos.

Ivan Soares David

 

*Os textos deste trabalho foram extraídos de documentos religiosos, jornais e revistas da época.

Anúncios