Novidades no blog: Família José da Silva


A história de vida de José da Silva, o “Zezé”. Um homem simples, como o seu nome, mas muito especial e de imenso valor, amado por uma grande família de parentes e amigos. Um homem íntegro, honesto, de bom coração, trabalhador, generoso, o melhor marido e o melhor pai do mundo! (…)

Visitem a página: Família José da Silva

Anúncios

I Seminário Serviços de Informação em Museus


Prezados colaboradores,

Estamos participando do I Seminário Serviços de Informação em Museus. Sem dúvida, um importante evento para auxiliar as nossas ações de preservação da memória de Guaranésia.

I Seminário Serviços de Informação em Museus

Com o desenvolvimento e a evolução das ferramentas informatizadas de organização e disseminação da informação e a universalização das redes de computadores, o potencial informativo das instituições museológicas tem se expandido enormemente nas últimas duas décadas. O tradicional foco dos museus na utilização de recursos expositivos e publicações analógicas como principais meios de comunicação de seus acervos, e da extroversão de conhecimentos gerados a partir de suas atividades não se coloca como uma perspectiva a ser suplantada, mas, sim, potencializada. A especificidade da instituição museológica, fruto de sua natureza preservacionista e da garantia da permanência material e temporal de uma seleção representativa da cultura humana, aliada à capacidade de ressignificação e fruição críticas desses conjuntos, apontam também para uma apropriação peculiar do universo digital contemporâneo. As novas tecnologias podem ser interpretadas como recursos necessários para a expansão de ações de extroversão informativa e cognitiva, mas de fato, não poderão substituir o caráter único e presencial da experiência museal. Sem dúvida, a intensificação da produção e circulação digital de objetos, obras e documentos deverão incidir diretamente na concepção e no entendimento da materialidade de nossos acervos e, por consequência, nas estratégias e nos métodos que utilizamos, mas é mais que provável que o museu como espaço de trabalho da memória e preservação cultural mantenha sua forma e seu sentido institucional.

Mas por que abordar a informação nos museus e quais seriam as especificidades desse conceito na realidade dessas instituições?

As instituições museológicas se constituem em espaços privilegiados para as discussões que envolvem a ciência da informação, a museologia e a arquivística. Isso se dá por dois fatores mutuamente imbricados: tratase de uma das poucas organizações que possui (em maior ou menor grau dependendo da tipologia do museu e do seu tamanho) acervos constituídos por conjuntos de objetos/documentos de três naturezas (museológica, arquivística e biblioteconômica), e gera vastas demandas de organização e disseminação de informação, tanto interna quanto externa. Da disponibilização de informações sobre seus acervos à extroversão do conhecimento produzido por suas ações técnicas e de pesquisa, e da utilização e circulação interna de recursos procedimentais e informativos ao diálogo obrigatório com a sociedade civil por meio da transparência de seu funcionamento. Assim, o museu se constitui em um rico campo não só para investigações teóricas envolvendo uma perspectiva de políticas integradas de informação, mas também como espaço de experimentação e aplicação de novas ferramentas de tecnologia da informação. Apesar da cada vez mais ampla necessidade de um enfoque integrado, é necessário ressaltar que não se trata de justificar a negação das independências teórico-metodológicas de nenhuma ciência ou disciplina aqui envolvida. A perspectiva da informação não é suficiente para resolver todas as questões colocadas em cada uma dessas áreas do conhecimento ou materializadas por acervos de naturezas diversas, mas pode ser entendida como um ponto de inflexão comum se analisada pelo viés dos serviços ou das demandas geradas a partir de uma realidade institucional específica.

É a partir desse paradigma que se delineiam os objetivos e as propostas desse encontro. Primeiramente, a reunião de profissionais e estudiosos de museus e áreas correlatas com o intuito de debater especificidades e tendências relativas à produção, circulação e disseminação de informação em instituições museológicas e outras similares que detenham acervos culturais, e apresentar experiências, ferramentas e metodologias aplicadas neste contexto.

25 de novembro de 2010

1o. Tema: a informação no museu: conceitos e lugares em perspectivas presentes e possibilidades futuras

Abertura e Prof. Dr. Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses (FFLCH-USP) [VÍDEO]

Profa. Dra. Giulia Crippa (Pós-ECA-USP / C.I. Ribeirão Preto) [VÍDEO]

Profa. Dra. Johanna Wilhelmina Smit (CBD-ECA-USP) [VÍDEO]

2o Tema – o uso da informação: experiências, metodologias e ferramentas

Milan Hughston (MoMA – New York) [VÍDEO]

26 de novembro de 2010

Continuação do 2o Tema – o uso da informação: experiências, metodologias e ferramentas

Mesa 1 [VÍDEO]

Profa. Dra. Ana Belluzzo (Comitê de Pesquisa Museum of Fine Arts)

Maria Celina Soares (Museu de Astronomia e Ciências Afins – Rio de Janeiro)

Mesa 2 [VÍDEO]

Profa. Dra. Maria Christina Barbosa de Almeida (Diretora da Biblioteca Mário de Andrade)

Ivani Di Grazia Costa (Coordenadora da Biblioteca e Centro de Documentação do MASP)

Tânia Francisco Rodrigues (Coordenadora do Núcleo de Enciclopédias Itaú Cultural)

Mesa 3 [VÍDEO]

Profa. Dra. Ana Gonçalves Magalhães (Docente do MAC-USP)

Cecília Machado e Juliana Monteiro (Diretora do Sistema Estadual de Museus – SEC São Paulo)

Gilson Gemente (Museu Nacional de Belas Artes – Rio de Janeiro)

Mesa 4 [VÍDEO]

Marilúcia Bottalo (Museóloga e Membro do Conselho de Orientação Artística da Pinacoteca do Estado)

Profa. Dra. Ana Maria de Almeida Camargo (FFLCH-USP)

Profa. Dra. Maria Cristina Oliveira Bruno (MAE-USP)